domingo, 20 de novembro de 2011

Descrevo-te numa flor



Procuro descrever-te numa flor
Esquadrinho e observo o teu corpo
O teu regaço …
Observo a tua beleza, o teu íntimo ser


És um lírio branco purificador da minha alma
Um anjo alado que me enfeitiça e que cobiço
Voando num prado de céu que flutua ao vento


És a margarida … reinante num núcleo de sol e luz
Serás essa inocente e doce flor que me prende                             
Que dança um tango numa inocência infantil perdida
Ornada pelas tuas pétalas que irradiam de amor!


És a minha tulipa perfumada; amada e desejada
Espalhada por um manto, ornando os campos
Um cobertor de cores fulgentes e translúcidas


Podes ser qualquer flor, pela tua beleza … dada pela natureza!
Sejas tu uma violeta, num tom de primavera ou um símbolo de fertilidade.
Sejas até uma orquídea rara que representa a liberdade do amar.


Sê a flor que querias ser,
Busca sempre o teu querer
Radiosa; imponente e só minha!
Serás sempre a flor … a minha flor
Aquela que aplacará a minha dor … de amor!



João Salvador – 17/09/2011

2 comentários:

  1. Caro joão,

    Um poema que vem do coração. Flor e amada combinam-se em essência, plenitude do amor.
    Abraço,

    Aureliano

    ResponderEliminar