domingo, 4 de dezembro de 2011

Anjo do tormento


Foi nas tuas asas de anjo que o poeta se perdeu
Nos teus braços longe daqui, ele endoideceu
A tua auréola ofuscou-lhe os sentidos, entorpeceu-o
Enviou-o para um longínquo amor inalcançável


Anjo que lhe iluminou a tristeza, por momentos
Rápidos que passaram, mas acalorados e sentidos
Sonhos perdidos, recuperados por ínfimos instantes
Sonhados, sentidos e aproveitados até à exaustão


Anjo alado do tormento, que apaziguou o sofrimento
Não evitaram as lágrimas que escorreram da tua face
Lágrimas corrosivas que te apagaram a alma e te sugou a vida


De todos os sentimentos que alimentou o teu anjo
Guardas aquele miserável instante de prazer numa fantasia perdida
Um sonho dolorido, atormentado, golpeante mas desejado …



João Salvador – 01/12/2011

Sem comentários:

Enviar um comentário