segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Ver-te chorar


Estás triste meu filho.
Choras inconsolavelmente
A realização do sonho que não o foi
A meta que não alcanças-te
A primeira amargura da vida …
Uma aflição, um aperto


A tristeza em ti mata o meu coração
Ver-te triste, uma ilusão que caiu
É uma dor que partilho … que me flagela             
Que me sangra em jorros de angústia


És um fruto em formação …
Ao sabor da desilusão,
Uma realidade nua e crua!
Impiedosa ….


Ainda que criança,
Não te esqueças
Que, existe a esperança
De uma vida …
Uma herança!


João Salvador – 06/09/2011


Nota: Pintura intitulada O menino que chora.
A título de curiosidade, refira-se que a autoria da pintura é atribuída a um artista chamado Bragolin e faz parte de uma colecção de 28 peças sempre com o mesmo motivo: crianças a chorar.

1 comentário:

  1. OLá, João!

    Que texto comovente! .Linda a imagem do compartilhar de pai as aflições do filho, sentir junto. Contudo de muita esperança.
    Grande poema, João.

    Abraços,
    Aureliano

    ResponderEliminar