sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Perdão



Houve tempos em que o amor era só teu
Era visto com olhos cristalinos
O teu corpo era venerado …

Os teus beijos eram desejados.

Tempos que já não o são!
Tempos longínquos e fantasmagóricos,
Apenas uma névoa de recordação.


Num momento em que te perdi
Traindo os sonhos que havia em ti!
Sim! Deixei fugir o amor que era teu,
Perdi-me num mundo só meu!


Nunca te pedi perdão,
Nem sequer tive compaixão,
Pois … afoguei-me na paixão,
No leito perfumado, de outra mulher.


O remorso percorreu-me a alma
Envenenou-me a consciência.
Não por te venerar,
Mas por te magoar!


João Salvador – 29/08/2011


1 comentário:

  1. Quisera toda mulher amada e traída receber um perdão escrito dessa forma tão magistral. Lindo! Espero o perdão de alguém e sei que este jamais virá. Em regra que erra nem sempre tem a consciência qe errou. Adorei!!

    ResponderEliminar