quarta-feira, 3 de agosto de 2011

O bem e o mal


Entre uma luta titânica,
sob um manto de esperança,
nasceu uma criança.
Vida de um ser inocente e puro,
que o tempo transfigurou.
O ciclo da vida assim o ditou,
e ele se emancipou.
Tornou-se sob o peso da vida,
um ser frio e distante …
um olhar vazio!
Um espectro de felicidade,
que parecia não alcançar.

O bem e o mal,
o afetou …
Experimentou os sentimentos,
o ódio … a repulsa!
A controvérsia entre a felicidade e a infelicidade,
uma tempestade na alma.
Momentos de amor e de dor,
Intercalados em dias que não terminavam.
Dias em que um sorriso e um carinho materno o consolavam,
mas não chegavam!

O bem e o mal,
personificados ao som do chicote que ribombava livremente.
Uma dor carnal, gutural,
cujo sangue latejava querendo sair,
Personificados num diabólico ser,
num carrasco, que havia abraçado o mal.
Nele não havia esperança ou retorno,
apenas ódio e rancor.
Ódio que passava para essa criança,
nascida da esperança!

O bem e o mal!
Quem venceu essa criança afinal?
Batalha épica e eterna,
cujas almas vai moldando à dureza da existência.
A infância desse menino,
 foi uma montanha de sentimentos contraditórios.
Uma teia da qual conseguiu soltar-se.
Rejeitou o mal e venceu!

João Salvador

Sem comentários:

Enviar um comentário